Casa de Campo - George Hime

Bomclima - Petrópolis/RJ
1949
 
Projeto construído

EQUIPE ARQUITETURA:

 

Henrique E. Mindlin 

Um notável uso da tridimensionalidade e organização espacial dinâmica são características fortes dessa casa de campo, a qual recebeu o prêmio de melhor habitação privada na primeira Bienal de São Paulo, em 1951. O projeto segue as diretrizes ditadas pelas características terreno; a área de estar é dividida em uma grande sala de estar no nível mais elevado, outra em nível mais baixo, e uma sala de jogos estendendo-se até a área dos Pilotis. Esta última forma um grande terraço coberto, parcialmente protegido por um quebra-vento decorado com um mural em mosaico altamente colorido por Roberto Burle Marx, também responsável pelo design do jardim. A laje da sala de jantar, suspensa sobre a parte inferior da sala de estar, fica à vista de qualquer pessoa que esteja sentada à lareira localizada na parede de pedras. Um grande mobilie projetada por Alexander Calder especialmente para essa casa proporciona um foco eficaz para a composição.

Uma das maneiras de conexão entre o interior e exterior da casa é o muro de contenção que se estende para o jardim. As diferenças entre a pedra utilizada no muro de contenção e no muro da lareira enfatizam seu uso como um material estrutural em um dos casos, e como um material de revestimento no outro, respectivamente.

A sala de estar proporciona a melhor vista, enquanto os quartos são orientados para o norte, buscando a obtenção máxima dos raios solares durante os gélidos meses de inverno. Há um acesso direto da garagem, por baixo da ala de serviço, para ambos os níveis superiores e inferiores da casa. Nos quartos, as janelas e suas persianas trabalham no princípio de contrapeso. Nas metades baixas das janelas, painéis articulados abrem para fora, a fim de captar a luz quando as persianas estão fechadas, permitindo assim, um fácil controle de incidência de luz solar, bem como dando um toque personalizado à fachada.