Jornal A Gazeta

O empreendimento consiste no parque industrial do jornal A GAZETA, envolvendo os setores de pré-impressão (após fotocomposição), impressão, expedição e todos os setores de apoio, como oficinas e depósitos de papel e de materiais relacionados àquelas atividades, além de escritórios para o pessoal ligado às funções industriais e de distribuição, e áreas de apoio. Foi utilizado um terreno já pertencente ao grupo, usado como estacionamento auxiliar ao prédio principal, situado em frente ao terreno em questão. Foi importante a manutenção da área de estacionamento, que atende aos empregados durante o dia, quando não há movimento industrial.

A empresa anexou à área já de sua propriedade, um total de 5.000m² em formato de L, propriedade adquirida para completar o terreno com mais 1.800m², que permite frente completa do terreno para três ruas, facilitando a localização do prédio e assegurando capacidade de expansão, além de evitar custos adicionais como, por exemplo, a possibilidade de se construir estacionamento suspenso ou subterrâneo para atender à Prefeitura.

O prédio foi concebido para permitir um fluxo funcional de produção, buscando praticidade e economia de tempo, e esforço entre as etapas do processo produtivo. O depósito de papel e suas docas foram projetados para proporcionar um fluxo simples de descarga e armazenamento visando minimizar as perdas de manipulação e agilizar a operação de descarga dos caminhões.

Procurou-se predisposição para expansão das futuras instalações sem perda das características funcionais originais. Quanto ao salão das rotativas, sua composição permite expansão futura em etapas, das três torres mais dobradeiras iniciais, até o máximo de sete torres mais dobradeira.

As limitações de orçamento para a obra impuseram a necessidade de uma obra sem sofisticação de acabamento, dentro da diretriz de funcionalidade esperada. Contudo, procurou-se uma harmonia da nova arquitetura com a do prédio existente, e equilíbrio de conjunto conseguido a partir de um competente detalhamento e escolha de cores e materiais. A funcionalidade e expansão são os principais requisitos do prédio.

O depósito de bobinas tem capacidade para um torno de 2.000 toneladas de papel empilhados em altura de quatro bobinas, com doca para descarga de carretas e caminhões. As paredes em bloco garantem a proteção contra fogo permitindo em caso de incêndio, que a rotativa fique protegida. A comunicação com a sala dos coladores se dá através de uma área intermediária de preparo das bobinas para utilização.

 

Sala das rotativas:

Inicialmente foram instaladas no prédio três torres de impressão da marca Goss Graphic Systems, modelo Newsliner, dupla largura, com dobradeira de dupla saída, do mesmo lado. Foi de intenção instalar ar condicionado na sala das rotativas. Esta sala foi composta de dois pisos, na parte inferior estão localizados os coladores e anexos à área de ar comprimido, umectação e preparo de bobinas, além da sala de tintas; No segundo piso, a sala de controles e a sala de chapas e de painéis de comando da máquina.

Foi implantada uma ponte rolante a ser utilizada para a instalação da máquina e posteriormente para manutenção.

 

Sala de expedição:

Conta com área suficiente para alojar duas linhas de saída da dobradeira com três stackers, (um backup), duas amarradeiras e esteiras de descarga com seleção para quatro docas. As mesas de encartes estarão localizadas na outra face dos stackers (saída no sentido oposto à esteira da amarradora). São previstas áreas para depósito de encartes pré rodados e ainda quatro bays para carga de carros com pacotes de jornais.

 

Áreas de apoio:

Estão locadas a umectação, a sala de painéis, quiet room, sala de tintas e a de chapas, além de um almoxarifado para materiais de consumo da planta e rolos de impressora.

 

Escritórios:

Localizam-se no nível das rotativas, escritórios para os chefes da mecânica e da impressão, o gerente industrial, e uma sala de reuniões. No nível da expedição locou-se o escritório para instalar os empregados que cuidam do despacho dos pacotes de jornal. Este escritório fica próximo à doca de saída, inclusive dando acesso direto para dentro e para fora da sala de expedição.

Vitória/ES
1997
 
Projeto construído

EQUIPE ARQUITETURA:

 

Henrique Mindlin Associados S/A

Arquitetura e Ploanejamento.

 

INFORMAÇÕES TÉCNICAS:

 

Área Total Construída: 8.905m²